Por que fotografar com filme faz bem para a alma

Por que fotografar com filme faz bem para a alma

Por que fotografar com filme faz bem para a alma

pentax

Pra mim, a definição é simples: professor bom é aquele que ensina bem, professor ótimo é aquele que inspira. E, ahh, como eu sou uma pessoa feliz quando a vida me traz professores maravilhosos! Foi isso que me aconteceu na fotografia, tive a chance de aprender com um professor que, além de passar o conteúdo programático, demonstrou tanta paixão que me inspirou à tentar a fotografia analógica em uma das primeiras aulas do curso, e o que é bom eu não quero falar sobre outro assunto a gente compartilha.

Recentemente, fiz cursos de fotografia no Ateliê da Imagem, no Rio de Janeiro, e só então fui entender a importância da fotografia analógica na formação do fotógrafo. Por isso, resolvi comprar uma câmera de filme que fosse toda manual (isto é, sem modo automático) e toda mecânica (a bateria só funciona para o fotômetro, todo o resto tem funcionamento mecânico).

A busca foi extensa, as pesquisas no Google foram inúmeras (“qual deve ser a minha primeira câmera analógica?”, “fotografia analógica, por onde começar?”, “câmeras de filme indicações”) e escolhi comprar uma Pentax K1000. Os motivos foram vários e vou compartilhar com vocês.

Como eu já disse, com exceção do fotômetro, ela é toda mecânica,  ela possui um fotômetro – o que é bem importante pra quem pretende usá-la pra aprender – ela é uma SLR – Single Lens Reflex – que se aproxima mais à minha DSLR, é só adicionar um “Digital”, que significa que o que você vê pelo visor é bem próximo ao que chega ao filme, e, por último, mas não menos importante, eu tinha um desejo tremendo de ter uma Pentax e uma câmera com essa carinha de século passado. ♥

roll_of_films

         Agora vamos às razões que eu vim a entender depois dos primeiros cliques.

1) Adeus ansiedade: COMO ASSIM É ACEITÁVEL EM PLENO SÉCULO XXI SER UMA PESSOA NÃO ANSIOSA?? Essa foi, talvez, uma das melhores descobertas que eu fiz nos últimos tempos. Para a minha fotografia e para a minha saúde. É possível sim, se concentrar no seu trabalho e em nada mais, não dá pra se bombadear de auto crítica na hora da fotografia por que você não está vendo nada do resultado final, só o estudo na sua cabeça, e quando chegar a hora de você ver e analisar, no momento da revelação, você já vai ser uma pessoa em um estado de espírito bem diferente, com a alma calma de quem já fez maior parte do trabalho.

2) Ser obrigado a pensar: Essa constatação é tão ridícula quanto o fato que a gente automatiza tudo no universo digital: click, a foto ficou escura, click, agora ficou clara, click, hum, agora acho que tá bom, mas vou tirar outras pra garantir, click, click, click, click! PERA, que tal pensar? Nada contra a tentativa e erro, é uma maravilha pra aprender, mas se for feito de maneira consciente: quão escura está a foto? 2 pontos, 3 pontos? Altera, pensa, confere, e aí clica, 1, 2, quantas vezes quiser, depois de pensar.

3) O processo da fotografia completo: Fotografar é uma ação com muitos significados, pode ser arte, pode ser registro, pode ser tédio, pode ser tudo. Dificilmente as pessoas sem interesse em pintura vão pintar um quadro, mas muita gente sem interesse na fotografia tira fotos. Sem juízo de valor, mas é que é tão fácil e banal que a gente acaba esquecendo que o processo tem um começo, meio e fim. É o preparo (pra onde vou, quantos filmes pretendo fotografar, quais as condições do local), o durante (execução sem sofrer de auto crítica precoce) e, tan-tan, o depois! “Huum, tem isso é?” Sim, tem isso, e é um dos maiores prazeres de quem fotografa, é uma experiência de intimidade com o seu próprio trabalho, o momento de colocá-las no papel. Tem uma frase de autor desconhecido que diz “You don’t take  a photograph. You ask quietly to borrow it”, e naturalmente, você tem que devolvê-la.

4) A magia dos grãos: Ahhh – suspiro –  não tem filtro do Instagram que imite ou substitua, o  efeito visual do filme é único! Literalmente, por que revelar um filme em processo cruzado é uma caixinha de surpresa e não tem receita que chegue ao mesmo resultado 2 vezes.

fotografia_filme
Pentax K1000 com filme Lomography 200 Slide / X-Pro

 

fotografia_filme_2
Pentax K1000 com filme Lomography 200 Slide / X-Pro

 

fotografia_filme_3
Pentax K1000 com filme Lomography 200 Slide / X-Pro

Todas as três fotos acima foram tiradas com o filme da Lomography 200 Slide / X-Pro e revelados como C-41, o resultado foi esse tom maravilhoso – bem diferente das cores reais – com carinha de coisa antiga e essa explosão de grãos. ♥

fotografando_sketch

 Ilustração: Paula Guimarães

E vocês? Preferem digital ou analógico? Conta pra mim!
||||| 3 Gostou? |||||

Você também vai gostar

3 Comments

  • Luisa
    4 anos ago

    Ainnnn que lindoooo!!!! Lindos os desenhos e mais lindo ainda é o seu olhar pra fotografia! Quando você volta pra cá pra me dar aula hein???

  • […] meu coração se enche de amor só de olhar essas fotos; os meus argumentos nada científicos sobre porque você deve fotografar com filme; e o meu go to quando dá saudade da minha terrinha, Maceió, fotos e dicas do passeio de SUP por […]

  • 3 meses ago

    Oii Paula, quando estudei fotografia na faculdade de jornalismo, voltei a usar uma câmera analógica da minha mãe para fotografar e assim estudar mais um pouco, e a experiência foi ótima.

    http://larydilua.com/

Deixar comentário

Deixar comentário Your email address will not be published