Nunca perca uma novidade!
Como conviver com ansiedade fez eu me apaixonar pela moda

Como conviver com ansiedade fez eu me apaixonar pela moda

Como conviver com ansiedade fez eu me apaixonar pela moda

Diz se que a fórmula pra ser feliz é simples: viver no presente. Viver no passado é o que a gente chama de saudade, e no futuro, ansiedade. Pra mim, viver com a cabeça nas preocupações futuras sempre foi a única maneira de viver. Demorou até eu chamar ansiedade pelo nome por que, até então, eu só chamava aquilo de vida. Hoje, com a perspectiva que o tempo dá sobre situações anormais que muitas vezes normalizamos, passei a ver a conexão que a minha relação com a ansiedade tem com o meu amor por moda. Ou mais precisamente, com me vestir todos os dias pela manhã.

Não foi fácil identificar a ansiedade por que eu nunca tive os sintomas mais conhecidos: hiperventilação, suor, taquicardia, etc.. Eu aprendi com o tempo que há diferentes maneiras de reagir a ela, e a minha é a de congelamento. Sentir essa coisa que diminuía minha qualidade de vida e não ter nem um nome pra ela foi muito solitário. Espero que compartilhando isso aqui faça alguém se sentir um pouco menos sozinha, mais compreendida. ♥

Voltando ao congelamento.

Quando eu falo ansiedade, não tô dizendo aquele nervosinho antes de uma apresentação. Tô falando de um nível que deixa a sua rotina pesada e compromete a sua qualidade de vida. Por quê? Ansiedade mantém ansiedade, gera alterações químicas no cérebro que criam pensamentos negativos, alteram a percepção. Por exemplo, você é quimicamente mais predisposto a entender uma expressão como negativa. Bem difícil né? Isso tudo afeta não só os relacionamentos mas a auto estima. Imagina achar que todo mundo está entediado ou te criticando quando você fala, que seus amigos estão com raiva, ou pior, com vergonha de você? :(

A ansiedade já me impediu de fazer várias coisas, cancelar programações, ter noites de sono perdida, etc. Em fases de estresse, a dificuldade de sair da cama de manhã e enfrentar o dia era uma tarefa quase impossível. Muitos dias eu fiz o que o corpo pedia: me recolhi com os meus sentimentos e evitei o mundo (sem vergonha nenhuma nisso). Em dias mais amenos, eu adotei uma estratégia: um passo por vez. Escolher a roupa do dia, fazer a maquiagem e penteado sempre foi brincadeira quando eu era criança. Então, o que um passo por vez significava? Esquecer os desafios da vida, escola, trabalho, as vozes negativas dizendo que eu ia falhar em mil maneiras diferentes e focar em escolher um look bem divertido, seguir um tema (60’s, rock, hippie, etc.). Focar na brincadeira.

ps.: Moda não é tratamento!

Não quer dizer que depois de “entrar na personagem” a ansiedade ia embora. Só que a essas alturas eu já estava vestida e pronta pra enfrentar os desafios diários. Claro que focar na aparência não é um tratamento para a ansiedade ou qualquer outra condição clínica!! O que quero dizer é que pra uma adolescente (que não tinha nem nome pra aquele sentimento ruim), a moda passou a ser uma grande companhia.

É curioso pensar que as fases mais desafiadoras da minha vida (intercâmbio no Arkansas, morar em Paris, mudança pra o Rio) foram os meus momentos mais criativos em relação a moda. Quanto mais eu entrava na minha própria brincadeira, mais divertidos os meus looks eram, mais autênticos, mais eu. E daí eu entendi que moda, pra mim, nunca foi algo fútil, tentar parecer algo que eu não era ou ser refém de tendência. Moda sempre foi uma brincadeira, um contato comigo mesma quando meus monstrinhos insistiam em aparecer. E enquanto eu continuar vendo roupas, maquiagem e acessórios como uma brincadeira, eu vou continuar amando a moda. Você usa a moda e não o contrário.


Se você sofre de ansiedade, por favor, isso não é uma dica de tratamento. Faça um favor a mim e um bem a você, procure ajuda profissional! A vida é muito mais linda quando a cabeça está em equilíbrio. :)

Se alguém que você conhece e ama sofre de ansiedade, por favor, não use culpa como estratégia pra demandar atenção. Cuidado com comentários, desde algo inofensivo como “você não tem tempo pra amigos, tá sempre ocupada”, a algo como “você não pode parar a cada vez que sentir desconforto”, palavras tem poder. Use as suas para o bem.

||||| 4 Gostou? |||||

Você também vai gostar

Deixar comentário

Deixar comentário Your email address will not be published